quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

No Confessionário

No confessionário

Regina Castro

Tarde da noite padre Jhones caminha devagar pela nave vazia, acabara de fazer a missa a qual havia demorado mais que o comum, cansado, em seu coração só havia um apelo, uma cama bem quentinha, o peso da idade era tanta que o padre as vezes deixava-se passar o tempo sentado olhando a grande cruz a sua frente, mas naquela noite não, naquela hora tudo que ele mais queria era ver tudo fechado, estava excessivamente exausto, o ritmo das confissões tinha triplicado nos últimos dias e ele já pensava na merecida aposentadoria.
Olhou para a pesada porta a sua frente e quando tentou fechá-la alguém impediu, assustado olhou para a pessoa já tentando explicar que voltasse outro dia, mas ao encará-la parou de falar, seus olhos eram brilhantes e de certa forma ele até esqueceu do que falava e perguntou...
- Pois não moça? - perguntou com ar bondoso.
- Teria um tempinho padre? Pra uma conversa sabe... - sua voz soava como melodia.
O pedido veio com tanta meiguice que o padre Jhones não teve como negar, até pensou duas vezes depois de ter acordado de uma espécie de transe ao qual viu-se perdido, ao fitar olhos tão envolventes, por fim consentiu com a cabeça e dirigiu-se para uma portinha de madeira na lateral e pediu que ela o seguisse, ele entrou na cabine cuidadosamente adornada e abriu a portinhola.
- Pois não filha, estou aqui para receber tua confissão em nome de Deus Pai Todo Poderoso. - falou o padre com a voz rouca.
- Então quer dizer que eu teria que começar com a frase... "Perdoe-me padre, pois eu pequei..."
- Você pode começar como quiser minha filha...
- Primeiro vamos fazer um acordo, pare de me chamar de filha, que eu penso se te dou mais uns aninhos de vida ou não.
- O qu...
- Eu disse que queria conversar, e não que vim me confessar... não preciso de sua absolvição... entendeu?
O padre ao ouvir aquilo tentou sair da cabine, mas agora a voz que ouviu pareceu vir do mais profundo inferno.
- NÃO!!!... - a mulher acalmou a voz e continuou. - Se eu fosse você ficaria paradinho e me ouvindo, senão eu posso perder o fio de paciência que tenho!!! -depois de uns segundos... - sim meu querido Jhones, agora sim, gosto da sua submissão.
- O que quer de mim? - perguntou Jhones com voz trêmula.
- Quero te contar um pouco de mim, o que faço, como vivo e depois o seu destino poderá mudar, nem Deus poderá te ajudar agora.
- Por que eu?
- Você foi meu escolhido ha exatos 76 anos.
O padre engoliu seco, essa era exatamente a idade dele.
- Você disse 76 por que?
- Isso mesmo, não precisa duvidar, falei mesmo de você, te conheço Jhones desde bebê, conheci seus pais, seus irmãos e hum, deixa ver... uma tia.
- Mas eu sou órfão, nunca conheci minha família, acho que você está falando com a pessoa errada.
- Você vem de uma linhagem de caçadores, e eu tive que interromper o ciclo para acabar com essa raça.
- Acho que você precisa de ajuda mocinha, você é muito nova e tem chance ainda.
- Haaa, tanta inocência, sabe o que eu sou? Uma vampira e deixei você viver muito tempo, acho que errei nisso, foi uma falha minha, hoje vim concertar esse erro, pois o caçador adormecido pode acordar, sei que você sozinho não me daria dor de cabeça, só vim aqui para terminar o que comecei, somente isso. Matei sua família ha muito tempo, lembro de como seu pai implorou, uma vergonha um caçador do calibre dele chorar feito um bebê, acho que foi por isso que minha ira cresceu também em cima de seus irmãos, sua mãe te defendeu até a morte, hum, muito tocante, já sua tia, morreu por que tentou fugir deixando todos para tras, covardia me enoja.
Ao terminar de falar Melanie abriu uma fresta na portinha e jogou uma foto antiga onde todos da família estavam muito felizes, e ainda falou.
- Vê o bebezinho? É você.
O padre Jhones perdeu a fala, olhando a foto seus olhos começaram a marejar, mas ficou calado, pensou que se tratasse de uma louca, pensou tantas coisas, mas no final, acabou fitando a foto com tanta tristeza, que não soube o que falar e a vampira continuou.
- Sabe essa correntinha que você está usando e nunca se separa? Essa letra M é do meu nome, e não de uma mãe que você imaginou tanto tempo.
Aquilo bateu fundo em seu coração, ela sabia até do seu tesouro, a correntinha que foi encontrada com ele e que ele sempre pensou que tivesse sido de sua mãe ausente, Jhones sentiu-se invadido, pensou estar as margens da loucura. Arrancou a corrente e atirou-a no chão, sentiu falta de ar, aquele cubículo estava apertando sua vontade de gritar e sair correndo.
- Acho que vou terminar com seu sofrimento, pois pra fechar o ciclo, preciso de algo seu, o sangue do último dos Ferrato e esperei muito tempo, foi muito tempo te vigiando, te cuidando, mas você está chegando ao fim e antes que esse fim chegue, preciso pegar o que é meu... sabe, por causa do sangue da tua linhagem consegui identificar e exterminar quase todos os que se meteram a besta com minha raça, até certos traidores foi fácil matar, pois você não sabe, mas seu pai, o grande Lucien Ferrato foi como eu, um vampiro, um ótimo vampiro mas sua mãe tinha que aparecer... ele não tinha que ceder a um sentimento comum entre mortais, mas cedeu e virou caçador, viveu feliz por um tempo formando sua familia, mas não ficou quieto no canto dele e saiu caçando a própria raça, traindo nossa espécie, seu erro pior foi ir atras da pessoa a quem ele havia traido cruelmente, a quem por causa de uma simples mortal foi desdenhada, e que por causa da traição já alimentava uma vingança, EU,
seu erro fatal foi vir atraz de mim, não sei como consegui minha vingança, acho que minha raiva naquele momento ficou mais forte que o desejo dele por salvar os seus, e consegui investir contra ele.
- Mas por que me deixou viver? - perguntou o padre num fio de voz.
- Por que você, é o único filho que ele teve, quando ele conheceu sua mãe, ela já tinha seus irmãos, e até hoje eu me pergunto, como ela conseguiu engravidar dele... acho que isso te intitula aberração pior do que eu. Deixei você viver ainda por amor a seu pai, fui fraca, e te deixei num convento com minha correntinha. Você cresceu e ficou muito parecido com ele, eu ficava te olhando por muito tempo, mas agora te devo o descanso, não vejo mais em você o homem a quem tanto amei.
O padre ainda tentou falar, mas já faltava pouco pro sol nascer, Melanie precisava muito do que foi buscar e sem nenhuma pena ao ver aquele rosto envelhecido em sua frente, nada mais lembrava o traidor que ela nunca esqueceu...
Pela manhã, chegou a primeira beata e abriu a igreja como sempre fazia, e o grito ecoou do salão vazio, os outros que chegavam já para a missa da manhã, correu assustado ao encontro da mulher, qual não foi o espanto de todos ao ver o padre pendurado pelo pescoço, com o corpo cheio de talhos e perfurações e, no chão, no meio da poça de sangue encontrava-se a foto e um enorme desculpe-me escrito em sangue no mármore branco do altar.

Um comentário:

  1. Será que ela era tão inocente como ele achava....

    Muito bem escrito..

    Parabéns

    ResponderExcluir